PMFS Natal 2
Em cima da hora:
População detém suspeito de roubar menor no Centro de São Carlos, SP
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • Documentário "Aconteceu, virou Manchete!" - A História da Rede Manchete - Oficial


    29.12.2013 01h24m
    Recomendar


  • Jovem Pan AM contrata dois ex-atletas de futebol como comentaristas

    Mauro Silva e Careca irão integram equipe esportiva da rádio, que vai perder Fabio Sormani
    29.12.2013 01h21m
    Recomendar
    Jovem Pan AM contrata dois ex-atletas de futebol como comentaristas
    Foto: Reprodução
    A Jovem Pan AM 620 de São Paulo terá duas novidades em sua equipe esportiva a partir de 2014. A emissora contratou os ex-jogadores Careca e Mauro Silva, que irão atuar na rádio como comentaristas. A informação foi veiculada pelo jornalista Lauro Jardim, na coluna Radar On-Line.
     
    Os dois profissionais começarão a atuar pela emissora em maio do ano que vem. Além de comentar os jogos, a dupla fará entradas na programação atualizar os ouvintes sobre as últimas notícias da Copa do Mundo, que será realizada a partir de junho, no Brasil.
     
    Porém, as novidades na equipe esportiva da Jovem Pan AM não se resumem apenas às contratações. A emissora também terá uma baixa no seu quadro. O comentarista Fábio Sormani vai deixar a emissora a partir do dia 31. Ele foi contratado pelo canal de televisão Fox Sports.
     
    A Jovem Pan AM é uma das rádios jornalísticas mais ouvidas na capital paulista. A emissora conta com dezenas de afiliadas por todo Brasil, além das rádios que transmitem apenas o Jornal da Manhã. O jornal também é transmitido pela Rede Jovem Pan FM, liderada pela Jovem Pan FM 100.9 de São Paulo, que também retransmite os jogos para a capital paulista.
     
    Fonte: Tudo Radio


  • Rádio Senado completa 16 anos no ar em Brasília


    29.12.2013 01h18m
    Recomendar
    Rádio Senado completa 16 anos no ar em Brasília
    Foto: Reprodução
    A Rádio Senado FM 91.7 de Brasília está comemorando dezesseis anos. A emissora pública foi criada para transmitir os fatos divulgados em várias iniciativas de comunicação sonora desenvolvidas pelo Senado Federal, como o Jornal do Senado produzido para a Voz do Brasil, os boletins telefônicos veiculados por meio de ligação gratuita e o serviço de som do Senado, conhecido como Dim-Dom, pelo qual era veiculado o áudio das sessões do Plenário, os avisos de interesse do público interno e música brasileira. Com a contratação de canais no Sistema Radiosat Digital, por satélite, as emissoras de todo o país passaram a dispor da possibilidade de retransmitir os boletins sobre as atividades do Senado ao vivo, além de ter acesso direto ao Jornal do Senado transmitido dentro do Programa A Voz do Brasil.
     
    Em 1996, por decisão do então presidente do Senado José Sarney, foi instituída uma comissão para desenvolver um projeto de instalação de uma emissora em FM. E em 29 de janeiro de 1997 foi criada a Subsecretaria de Rádio Senado, com o objetivo prioritário de transmitir o áudio das reuniões das comissões e das sessões do Plenário do Senado Federal e do Congresso Nacional. À nova emissora coube, ainda, divulgar as demais atividades do Senado, incluindo as ações de sua Presidência e dos senadores.
     
    A Rádio Senado manteve, durante 12 anos, uma transmissão em Ondas Curtas para as Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil. Com uma programação básica de prestação de serviços, os brasileiros das áreas mais remotas do País receberam diariamente, por meio da Rádio Senado Ondas Curtas, as informações sobre o Senado Federal, de forma simples e direta.
     
    Transmitindo em FM 91.7 para o Distrito Federal e os municípios de seu entorno, o modelo básico da Rádio Senado FM é de informação, música brasileira e serviços. No ar 24 horas por dia, inclusive nos finais de semana, a programação da emissora inclui especiais de cultura e jornalismo. A utilidade pública também tem espaço importante na Rádio, com informações sobre eventos culturais, dicas de saúde, direitos do consumidor, entre outros. A Rádio Senado conta em sua estrutura com os setores de jornalismo, produção, fitoteca, técnica, operações, locução, programação regional, Rádio Agência e administração. Além de Brasília, a Rádio Senado FM, em um processo de expansão, já transmite para quase vinte capitais.
     
    Fonte: Tudo Radio


  • Queridinha de Marcelo Rezende, Analice Salles desabafa sobre participação no “Cidade Alerta”


    29.12.2013 01h09m
    Recomendar
    Queridinha de Marcelo Rezende, Analice Salles desabafa sobre participação no “Cidade Alerta”
    Foto: Reprodução
    Após ter trocado o SBT pela TV Record e ficar conhecida nacionalmente por conta de suas participações no “Cidade Alerta”, com Marcelo Rezende – ele a chama de “Anamisse” -, a repórter Analice Salles se tornou em pouco tempo em Salvador um nome forte na comunicação baiana.
     
    Em entrevista ao RD1, ela contou como está sendo a nova fase e rasgou elogios à Record, sua nova casa.
     
    Mudança totalmente importante na minha vida profissional, de ter uma expansão do meu trabalho. Fui para uma emissora muito mais expansível, em termo de tecnologia e investimento, de informação e agora meu trabalho é visto no Brasil inteiro, já que estou também nesse trabalho em particular com o Marcelo Rezende, isso foi muito importante“, falou animada.
     
    Quanto ao convite para entrar ao vivo diariamente no programa de Rezende, ela confessou ter sido algo natural.
     
    “Isso foi acontecendo, uma oportunidade da praça e quando conheceram meu trabalho, foi ficando. 2014 será o ano mesmo da praça de Salvador no ‘Cidade Alerta’”, disse.
     
    Sobre sua saída do SBT Bahia, onde apresentava o programa policial “Na Mira”, ela revelou ter deixado a emissora pela porta da frente, sem mágoas de nenhuma das partes.
     
    Saí do SBT na paz, no amor e na amizade. Tenho lá amigos, tenha certeza disso, e o que eu mais achei importante foi que eles compreenderam minha real necessidade. Meu trabalho agora está sendo conhecido no Brasil inteiro“, explicou.

    Fonte: RD1


  • Nome “Tupi FM” deixa o dial FM de São Paulo. Super Rádio Tupi também muda

    Emissora paulista perde a queda de braço com o grupo Diários Associados
    29.12.2013 01h05m
    Recomendar
    Nome “Tupi FM” deixa o dial FM de São Paulo. Super Rádio Tupi também muda
    Foto: Reprodução
    O rádio de São Paulo acompanhou na noite do dia 19 de dezembro uma mudança importante em uma de suas principais emissoras. A até então Tupi FM 104.1 deixou seu nome fantasia após as 19h00 de ontem, passando a se identificar apenas como “104,1 a top do Brasil”, sendo a frequência e o slogan da Tupi FM. Segundo informações apuradas pelo Tudo Rádio, a 104.1 FM de São Paulo perdeu o direito de utilizar o nome que é de propriedade dos Diários Associados, grupo que mantém no ar a Super Rádio Tupi FM 96.5 AM 1280 do Rio de Janeiro. A mudança de nome também atingiu a Super Rádio Tupi AM 1150 de São Paulo, do mesmo grupo da Tupi FM 104.1. A decisão cabe recurso.
     
    Os ouvintes da Tupi FM foram pegos de surpresa pela mudança, alteração de nome fantasia que também atingiu as emissoras que compõe a rede nacional da marca. O Tudo Rádio recebeu relatos de ouvintes que informaram a mudança de nome, fato constatado por exemplo em Sorocaba. Lá a Tupi FM 100.5 passou a se identificar como “100,5 a top do Brasil”. Na capital paulista a rádio continua com sua programação normal, porém sem veicular o nome Tupi FM. As ações promocionais, músicas do estilo sertanejo e a plástica característica da rádio seguem presente no ar na FM paulistana e também nas demais FMs que integram sua rede.
     
    Outra situação que pegou os ouvintes de surpresa foi o site da Tupi FM. A página da rádio foi retirada do ar, tendo a sua conta suspensa na internet. O mesmo ocorreu com a Super Rádio Tupi AM (antiga Tupi AM), emissora que está levando ao ar o nome “Super Rádio” e está com o seu portal na internet desativado. As contas das rádios nas redes sociais seguem com o nome Tupi FM, mantendo também as atualizações promocionais da emissora de São Paulo.
     
    Por enquanto não há informações de qual nome fantasia será utilizado pela 104.1 FM de São Paulo e demais emissoras de sua rede. Recentemente as rádios de Campinas e Brasília (FMs que até ontem atuavam como Tupi FM) chegaram a utilizar o nome Top FM entre 2011 e 2012.
     
    A 104.1 FM é uma das líderes de audiência no mercado de rádio FM de São Paulo, emissora que chegou a se destacar na medição passada ao apresentar um crescimento em sua média na pesquisa realizada pelo Instituto Ibope. A persistência desse quadro de mudança de nome poderá ampliar a expectativa do mercado em relação às pesquisas de audiência em 2014.
     
    Troca de nome: isso já ocorreu em São Paulo
     
    Não é a primeira vez que uma FM de grande porte de São Paulo perde o seu nome fantasia em disputa com um grupo do Rio de Janeiro. Em abril de 2001 a extinta Cidade FM 96.9 teve que mudar o seu nome fantasia após uma decisão da justiça. Após a realização de um concurso promocional onde os ouvintes escolhiam o novo nome da rádio, a FM passou a ser chamada de Sucesso 969 FM. Isso persistiu até maio de 2005, quando a BandNews FM 96.9 substituiu a rádio popular no canal.
     
    Em breve mais informações sobre o mercado FM de São Paulo.

    Fonte: Tudo Rádio


  • “Sem dúvida, o maior momento da minha carreira”, desabafa jornalista da Record sobre apresentar o “Fala Brasil” SUCESSO BAIANO


    29.12.2013 01h00m
    Recomendar
    “Sem dúvida, o maior momento da minha carreira”, desabafa jornalista da Record sobre apresentar o “Fala Brasil” SUCESSO BAIANO
    Foto: Divulgação / Record Bahia
    Jéssica Senra se tornou em pouco tempo uma das maiores jornalistas e comunicadoras baianas. Apresentando o “Bahia no Ar“, ela conquistou a liderança e segue no primeiro lugar por várias vezes da semana.

    O sucesso foi tanto que a Record decidiu premiá-la com a oportunidade de apresentar o “Fala Brasil Especial” de sábado, há duas semanas.

    Foi, sem dúvida, o maior momento de minha carreira, porque você está falando ali para o Brasil inteiro. Todos os dias eu entro no link, mas é uma participação muito pequena“, disse em entrevista exclusiva ao RD1. Sobre a proposta que teria recebido do SBT recentemente, para mudar de casa, Jéssica prefere não comentar sobre o assunto e se mostra feliz na Record.

    Que pergunta é essa, menino? Essas coisas a gente não pode divulgar não, a gente não conversa. Posso dizer que estou muito feliz na Record“, falou.

    Confira na íntegra a entrevista:

    RD1 - Tanta coisa aconteceu com você em 2013. Você se consolidou dentro da Record, ganhou destaque no cenário nacional e é sucesso de audiência, segundo o Ibope. 2013 foi o melhor ano de sua vida profissional?

    Jéssica Senra - Foi o melhor ano da minha carreira, sem dúvida nenhuma. Estou há dois anos e meio na Record e esse tempo todo foi de muito crescimento. Neste ano de 2013 tive a oportunidade de estar em 3 horários diferentes (12h, 7h15 e 6h30), são públicos diferentes, então são desafios diferentes.
    Sempre que você vai para um novo horário, é um momento de reconquista. Mas graças a Deus o público tem me recebido de braços abertos e a gente tem trabalhado muito. É aquela troca: a Record me dando as oportunidades e a gente tentando mostrar trabalho.

    RD1 - Há duas semanas você esteve no “Fala Brasil” de sábado. Foi o ponto mais alto que você já chegou, no jornalismo?

    Jéssica Senra - Foi, sem dúvida, o maior momento de minha carreira, porque você está falando ali para o Brasil inteiro. Todos os dias eu entro no link, mas é uma participação muito pequena. Estar na bancada do Fala Brasil, com 3 horas de programa, no sábado, ao lado de Roberta Pizza, que é a titular, foi muito especial.

    RD1 - E como você foi recebida em São Paulo?

    Jéssica Senra - Ela (Roberta) foi maravilhosa, a equipe toda de São Paulo me deixou bem à vontade, pra eu fazer o que eu sei fazer. Foi um convite inesperado, mas foi muito bom pra mim, uma experiência muito boa a estamos conversando aí pra ver quando a gente repete.

    RD1 - E quando é que você vai voltar?

    Jéssica Senra - Em 2014 a gente deve ter alguma novidade.

    RD1 - Muitos boatos surgiram de que você recebeu proposta do SBT. É verdade? O que aconteceu?

    Jéssica Senra - Que pergunta é essa, menino? Essas coisas a gente não pode divulgar não, a gente não conversa. Posso dizer que estou muito feliz na Record, posso dizer que é muito difícil eu sair da Record. Aliás, é impossível eu sair da Record.

    RD1 - Depois de um 2013 movimentado, dá para fazer planos pra 2014?

    Jéssica Senra - Eu não sou muito de fazer planos, mas o grande barato de trabalhar na Record é essa surpresa. Tudo pode acontecer. Estou à disposição da emissora para o que eles precisarem.

    RD1 - Você está pronta?

    Jéssica Senra - Estou. Mais do que pronta. Onde eles me colocarem, pode ter certeza que eu vou lutar pra fazer um bom trabalho, fazer sucesso e conquistar essas pessoas, o público.

    Fonte: RD1


  • “Sem dúvida, o maior momento da minha carreira”, desabafa jornalista da Record sobre apresentar o “Fala Brasil” SUCESSO BAIANO


    29.12.2013 01h00m
    Recomendar
    “Sem dúvida, o maior momento da minha carreira”, desabafa jornalista da Record sobre apresentar o “Fala Brasil” SUCESSO BAIANO
    Foto: Divulgação / Record Bahia
    Jéssica Senra se tornou em pouco tempo uma das maiores jornalistas e comunicadoras baianas. Apresentando o “Bahia no Ar“, ela conquistou a liderança e segue no primeiro lugar por várias vezes da semana.

    O sucesso foi tanto que a Record decidiu premiá-la com a oportunidade de apresentar o “Fala Brasil Especial” de sábado, há duas semanas.

    Foi, sem dúvida, o maior momento de minha carreira, porque você está falando ali para o Brasil inteiro. Todos os dias eu entro no link, mas é uma participação muito pequena“, disse em entrevista exclusiva ao RD1. Sobre a proposta que teria recebido do SBT recentemente, para mudar de casa, Jéssica prefere não comentar sobre o assunto e se mostra feliz na Record.

    Que pergunta é essa, menino? Essas coisas a gente não pode divulgar não, a gente não conversa. Posso dizer que estou muito feliz na Record“, falou.

    Confira na íntegra a entrevista:

    RD1 - Tanta coisa aconteceu com você em 2013. Você se consolidou dentro da Record, ganhou destaque no cenário nacional e é sucesso de audiência, segundo o Ibope. 2013 foi o melhor ano de sua vida profissional?

    Jéssica Senra - Foi o melhor ano da minha carreira, sem dúvida nenhuma. Estou há dois anos e meio na Record e esse tempo todo foi de muito crescimento. Neste ano de 2013 tive a oportunidade de estar em 3 horários diferentes (12h, 7h15 e 6h30), são públicos diferentes, então são desafios diferentes.
    Sempre que você vai para um novo horário, é um momento de reconquista. Mas graças a Deus o público tem me recebido de braços abertos e a gente tem trabalhado muito. É aquela troca: a Record me dando as oportunidades e a gente tentando mostrar trabalho.

    RD1 - Há duas semanas você esteve no “Fala Brasil” de sábado. Foi o ponto mais alto que você já chegou, no jornalismo?

    Jéssica Senra - Foi, sem dúvida, o maior momento de minha carreira, porque você está falando ali para o Brasil inteiro. Todos os dias eu entro no link, mas é uma participação muito pequena. Estar na bancada do Fala Brasil, com 3 horas de programa, no sábado, ao lado de Roberta Pizza, que é a titular, foi muito especial.

    RD1 - E como você foi recebida em São Paulo?

    Jéssica Senra - Ela (Roberta) foi maravilhosa, a equipe toda de São Paulo me deixou bem à vontade, pra eu fazer o que eu sei fazer. Foi um convite inesperado, mas foi muito bom pra mim, uma experiência muito boa a estamos conversando aí pra ver quando a gente repete.

    RD1 - E quando é que você vai voltar?

    Jéssica Senra - Em 2014 a gente deve ter alguma novidade.

    RD1 - Muitos boatos surgiram de que você recebeu proposta do SBT. É verdade? O que aconteceu?

    Jéssica Senra - Que pergunta é essa, menino? Essas coisas a gente não pode divulgar não, a gente não conversa. Posso dizer que estou muito feliz na Record, posso dizer que é muito difícil eu sair da Record. Aliás, é impossível eu sair da Record.

    RD1 - Depois de um 2013 movimentado, dá para fazer planos pra 2014?

    Jéssica Senra - Eu não sou muito de fazer planos, mas o grande barato de trabalhar na Record é essa surpresa. Tudo pode acontecer. Estou à disposição da emissora para o que eles precisarem.

    RD1 - Você está pronta?

    Jéssica Senra - Estou. Mais do que pronta. Onde eles me colocarem, pode ter certeza que eu vou lutar pra fazer um bom trabalho, fazer sucesso e conquistar essas pessoas, o público.

    Fonte: RD1


  • Vídeo: Confira a chamada institucional do jornalismo da Record


    19.12.2013 02h01m
    Recomendar
    Vídeo: Confira a chamada institucional do jornalismo da Record
    Foto: Ilustração
    Sem dúvida nenhuma, pode-se afirmar que hoje o produto que mais beneficia a Record em termos de audiência e aceitação popular é o seu jornalismo. Foi para agradecer esse carinho dos telespectadores que a emissora preparou um vídeo institucional destacando a área jornalística da emissora paulista.

    O vídeo mostra os jornalistas indo às ruas e pedindo a opinião do público sobre os vários jornais da casa, iniciando do “Fala Brasil”, passando pelo “Cidade Alerta”, “Jornal da Record”, “Câmera Record”, até o “Domingo Espetacular”, principais produtos que compõem o “Jornalismo Verdade”.

    Foi destaque também a linguagem popular utilizada pelos âncoras da casa que favorecem uma maior interação entre público/emissora, além das mais de 11 horas por dia dedicadas só ao jornalismo pela emissora.

    Assista ao vídeo abaixo e veja como ficou a vinheta institucional:


  • Pesquisa do Ibope mostra que 40% dos brasileiros têm o Rádio como a primeira e segunda opção de acesso


    19.12.2013 01h38m
    Recomendar
    Pesquisa do Ibope mostra que 40% dos brasileiros têm o Rádio como a primeira e segunda opção de acesso
    Foto: Ilustração
    O Instituto Ibope divulgou o resultado de uma pesquisa encomendada pela Secretaria de Comunicação do Governo Federal (Secom) que mostra que o rádio é o segundo veiculado mais acessado pela população, somando, entre a primeira e a segunda opção, mais de 40% dos brasileiros. Já 78% tem a TV como primeira opção, enquanto 13% tem como segunda.
     
    O Ibope ouviu 18 mil brasileiros em várias cidades do país. A pergunta “Qual o meio de comunicação que você mais acessa?” admitia respostas múltiplas. O rádio ficou com a segunda colocação e, entre a primeira e segunda opção, somou 40%. A Internet vem em seguida com 29%.
     
    Em agosto deste ano, o Ibope Media divulgou uma pesquisa realizada pelo Target Group Index que aponta que 73% dos brasileiros escutaram rádio nos últimos sete dias. Esse número corresponde aos brasileiros que vivem nas principais capitais e regiões metropolitanas do Brasil. A pesquisa foi feita em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Brasília e nos interiores de São Paulo e das regiões sul e sudeste.
     
    Ao todo, entre julho de 2011 e agosto de 2012, foram realizadas 20.736 entrevistas com pessoas de ambos os sexos das classes AB, C e DE, com idades entre 12 e 75 anos. A representatividade é de 49% da população brasileira entre 12 e 75 anos ou 71 milhões de pessoas. De acordo com o levantamento, nas rádios AM e FM, as músicas aparecem no topo da lista dos mais ouvidos (92%). Na sequência estão os noticiários locais (46%) e os nacionais (36%).
     
    Já em setembro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o resultado da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2012, que apontou que o aparelho de rádio está presente em 80% dos domicílios, levando em conta que a pesquisa não considerou os aparelhos de telefonia celular que sintonizam FMs.
     
    O número mostra que ainda é grande o número de casas que contam com pelo menos um aparelho de rádio. O número de pessoas que ouvem rádio é ainda maior, levando em consideração a grande oferta de telefones celulares que são sintonizadores de FMs, além dos rádios instalados em veículos. Segundo dados da Anatel, o Brasil conta com mais de 200 milhões de celulares habilitados.
     
    Por fim, no início de dezembro, um levantamento feito pelo Instituto Ibope mostrou que o Brasil é o país onde mais se consome rádio na América Latina. O levantamento também mostrou que, no consumo simultâneo de mídias, o brasileiro, quando está ouvindo rádio, prefere navegar pela Internet. O Brasil também supera os demais países da América Latina quando ouve rádio off e online.
     
    De acordo com o Ibope, 67% dos brasileiros ouvem rádio de modo tradicional (chamado offline). Os ouvintes dos demais países que foram pesquisados (Colômbia, Equador, Guatemala, Peru e Costa Rica) somam 63%. Outro item que também foi pesquisado foi o consumo de rádio online (internet) e de forma tradicional.

    Fonte: Tudo Radio


  • Migração das emissoras AM pode chegar até R$ 400 mil


    19.12.2013 01h31m
    Recomendar
    Migração das emissoras AM pode chegar até R$ 400 mil
    Foto: Wilson Dias / Agência Brasil
    O levantamento foi feito pelo engenheiro Alexandre Boareto, da EMC Soluções em Telecomunicações. Uma emissora AM de classe C, que opera entre os canais AM 1.110 e AM 1.610, irá para a classe C em FM. Para essa mudança, o engenheiro estima que a emissora irá arcar com custos entre R$ 179 mil a R$ 309 mil. 

    Já as emissoras que operam entre os canais AM 820 a AM 1.100 (classe C), já irão para a classe B2 em FM. Os custos com o sistema irradiante, transmissão e estúdios, devem girar em torno de R$ 182 mil a R$ 312 mil. 

    O estudo também estimou os custos para as rádios que operam entre AM 540 a 810 (classe C). Estas rádios deveram ser enquadradas na classe B1 em FM. Essas rádios terão um custo estimado entre R$ 211 mil a R$ 341 mil. 

    O estudo também prevê os custos para as rádios AM que estão na classe B entre os canais AM 1.180 a AM 1.610. Essas já irão para o FM  em  classe  A4  e a  estimativa é que os custos fiquem entre R$ 226 mil a R$ 391 mil.

    Vale ressaltar que estes custos são relacionados aos equipamentos que serão instalados no parque de transmissão e nos estúdios da emissora. Existe ainda o custo que o radiodifusor deve arcar com a concessão do FM. Este valor ainda não foi oficializado pelo Ministério das Comunicações e deve ser divulgado no início do ano com a publicação da portaria ministerial que deve dar detalhes da migração. 

    O presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Daniel Slaviero, disse, no Fala Nordeste (realizado em Fortaleza), que a migração das emissoras de rádio AM para a faixa FM deverá movimentar um total de R$ 115 milhões em todo o Brasil. Segundo Slaviero, a expectativa é que cerca de 95% das rádios AM façam a mudança para a frequência modulada. “Essas emissoras vão poder continuar prestando serviço à população, mas, acima de tudo, com a qualidade que a FM permite e com a possibilidade de existir em dispositivos móveis”, comentou.

    Fonte: RCR/TudoRádio - Blog do Cheni


  • Mudanças na Record News são adiadas para o ano que vem


    19.12.2013 01h29m
    Recomendar
    Mudanças na Record News são adiadas para o ano que vem
    Foto: Divulgação / Assessoria
    A Record adiou a mudança da Record News para novas instalações. A ideia era transferir a redação do canal de notícias para outro estúdio da sede da emissora na Barra Funda, na zona norte de São Paulo.
    A mudança aconteceria neste mês, de acordo com as informações do jornalista Flávio Ricco.

    A Record também pretende investir na programação da Record News. O plano é criar novos telejornais e valorizar o noticiário ao vivo, o que não acontece atualmente. Heródoto Barbeiro, âncora do “Jornal da Record News”, vai continuar como um dos principais nomes da emissora.

    Com informações do RD1


  • Leandro Guerrilha volta à rádio e não tem medo de cobranças ao vivo

    Confira a entrevista concedida por Leandro Guerrilha ao site Bocão News
    19.12.2013 01h21m
    Recomendar
    Leandro Guerrilha volta à rádio e não tem medo de cobranças ao vivo
    Foto: Reprodução / Facebook
    De volta à Itapoan FM na noite de Natal, o radialista e vereador Leandro Guerrilha (PSL) conta ao Bocão News as novidades do seu programa que irá ao ar todos os dias às 10h.

    Como legislador, Guerrilha tenta aprovar projetos vinculados às atividades de comunicação, em especial para o rádio. Teça elogios à administração do prefeito ACM Neto (DEM) e critica a gestão do ex-prefeito João Henrique, que atualmente é seu correligionário. Apesar disso, não foge aos questionamentos sobre seu novo companheiro de partido e as condenações por órgãos de controle externo.

    Para Guerrilha, mesmo com todos os problemas enfrentados, JH ainda é um “campeão de votos”.

    Ainda comenta sobre sua pretensão política e deverá ser candidato a deputado. Uma dobradinha com JH é possível, caso o ex-prefeito não se torne inelegível.

    Leia abaixo a entrevista na íntegra:

    Edição: Juliana Nobre

    BNews - Qual a sua expectativa com esse retorno ao rádio?

    Leandro Guerrilha - Primeiramente, é um prazer estar no Bocão News. Eu não saio de casa sem acompanhar as notícias e a minha volta a Itapoan, após 10 anos, era um sonho desde então. Assim como o jogador de futebol vislumbra a Seleção Brasileira, voltar para a Itapoan era o meu sonho. E trabalhar com Jeffinho, Ana Paula, Evanio, que eu considero a seleção brasileira do rádio. Serviu quando coloquei meu nome a disposição quando sai da última emissora e o que me fez aceitar o convite foi continuar falando com o meu público. Isso eu não abro mão das mensagens, das histórias, de falar ao vivo com as pessoas. A Itapoan já é por si só uma alegria. E ir para lá vai ser mais alegre ainda. Vamos conseguir formar um time de campeões.

    BNews - Qual a característica do programa?

    LG - Entretenimento. É naquele momento que você está em casa querendo ouvir coisas boas, refletir sobre a sua vida, uma pulsão de ânimo, lembrar que Deus existe. Falando de como você pode virar o jogo na sua casa e ter um melhor relacionamento com os pais, ser melhor a cada dia. Sempre digo que é uma forma de fazer uma política positiva. Porque se nós preparamos o ser o humano para tratar melhor o outro e o que nós temos estamos formando pessoas de bem.

    BNews - Na condição de vereador você não se preocupa com as cobranças que poderão vir no rádio? Qual a sua expectativa diante disso?

    LG - Meu público já me conhece e ele só votou em mim com essa garantia de não largar o rádio. Eu sempre digo que eu faço política com o microfone. Qual a diferença? Falando e fazendo. Eu posso falar do rádio sobre a política, eu tenho o poder de denunciar alguma coisa que acontecer na cidade, e também na Câmara indicando leis, projetos. Eu sou o vereador hoje na Casa com o maior número de requerimentos. São mais de 750 requerimentos desde o começo do mandato. São requerimentos de tapa-buracos, asfaltamento, iluminação, poda de árvores, requalificação de mão-de-obra de motoristas, de encostas. Então estamos, graças a Deus, conseguindo ajudar a população com esse trabalho, falando e fazendo.

    BNews - É importante frisar que não há nenhum impedimento legal para que um vereador exerça função em uma rádio.

    LG - Não há e vários políticos, grandes profissionais fazem hoje programas no rádio. Justamente em defesa dos seus interesses e da população. Lógico que eu tenho o meu tempo reduzido. Se eu tiver, por exemplo, uma audiência pública pela manhã ou encontro com prefeito, aí sim é que o vereador deixa de ser radialista. Mas eu sou radialista e estou vereador. Eu não vou abrir mão do microfone, mas hoje a minha prioridade é sim ser vereador para atender a população.

    BNews - Das 10 às 12h você não tem nenhum compromisso parlamentar?

    LG - Eu faço a minha agenda. As sessões na Câmara acontecem pela tarde e eu estou presente em todas elas. São mais de 85 sessões, somente este ano, que já é um recorde no Brasil e eu estive presente, seguramente, em 98% delas. Em todas as votações, discussões e reuniões também. Meu público entende que quando não estou no rádio é porque estou sendo vereador.

    BNews - Muita gente quando entra para o primeiro mandato se surpreende com o que encontra na Câmara. Do ponto de vista de radialista que cobrava ações, o que você percebeu lá? Como você enxerga a máquina de dentro dela?

    LG - Quando eu me preparei para ser vereador há 10 anos eu já vinha estudando os trâmites, mas nunca é igual. Uma coisa é pratica, outra é teoria. Claro que me assustou um pouco, pois as coisas não são do jeito que você imagina ou como você quer. Mas eu estou muito feliz por fazer parte de um novo projeto político. ACM Neto tem uma proposta maravilhosa para Salvador, de mudanças reais. Sem querer jogar sopa em A ou B, mas nós tínhamos uma Salvador ainda muito carente, então o prefeito tem organizado a cidade. Nós sabemos que vivemos ainda a era do outro prefeito em relação à programação de investimentos e realizações. Passamos um período de chuva complicado, de reajustar o IPTU, programas que vai arrecadar mais. Hoje, Salvador já arrecada mais e melhor. Na cultura então, nós temos um trabalho fantástico. Acredito que a partir de 2014, com um a legislatura com 50% de vereadores novos, e com vereadores como Waldir Pires, Edvaldo Brito, com mais experiência, isso qualifica a bancada. Os que chegaram e os que ficaram realmente tem uma nova visão da política. Chegaremos em 2016, olharemos para trás e veremos o quanto melhoramos essa cidade. Vem aí a Copa, melhorias na mobilidade urbana, programa Casa Legal.
    É importante dizer que o prefeito ACM Neto valoriza muito o Legislativo e essa parceria tem feito muito pela cidade e só quem ganha é a população.

    BNews - Você fala de mudanças de paradigmas. Você é do PSL e acaba de receber de braços abertos o ex-prefeito João Henrique, que trás na bagagem oito anos de administração, muitas divergências e críticas, além de condenações por órgãos de controle externo. Como você recebeu o ex-prefeito JH e como não critica-lo sendo ele seu correligionário?

    LG - Eu critico sim o que ele deixou de fazer na cidade como prefeito. Mas não dá para negar que ele é um campeão de votos. Qualquer cargo que João Henrique disputar hoje, para deputado estadual ou federal, ele será campeão de votos. Se ele conseguir se livrar dos problemas judiciais, tenho a certeza que ele será bem votado e ajudará muito o partido. Aí nós temos que separar o homem da instituição. Para o partido, maravilhoso o nome dele. Agora ele tem um grande problema que são as contas rejeitadas. Se ele conseguir driblar e se livrar da condenação, com certeza ele será um dos nomes da Câmara Federal ou Estadual.
     
    BNews - Hoje quais são os principais entraves da Câmara Municipal de Salvador?
    LG - Temos um grande problema com a mobilidade urbana; a Lous que está em discussão agora; o regimento interno da Casa que está antigo. A pedido da mesa, Edvaldo Brito foi o relator. Agora virão as emendas e os vereadores estão estudando o texto e vamos mexer. Acredito que o cidadão precisa e quer uma nova postura dos vereadores de Salvador.

    BNews - Você acredita que a dinâmica, as práticas internas da Câmara mudaram nessa nova legislatura?

    LG - Se começar pelo número das sessões já é uma mudança. O voto aberto é outra mudança. Eu ouvi dizer que as sessões não chegavam até às cinco da tarde. Hoje chegamos até 18h e já viramos noite discutindo os projetos da cidade. Parece que nós vamos levar o natal e ano novo votando porque ainda temos votações atrasadas. Tem a LOA, PPA e o orçamento, principalmente.

    BNews - Você que é envolvido com a cultura, participou das discussões sobre o sistema municipal de Cultura? Como vai ficar?

    LG - A cidade vai ganhar muito. Nós somos culturais. A cidade respira cultura. Nós temos o sistema criado pelo Executivo que vai melhorar e ampliar as ações. O primeiro carnaval de Salvador será marcado por algumas mudanças positivas. Algumas que ainda precisam de ajustes, mas o próprio prefeito diz que não é uma forma definida. Vamos colocar algumas coisas e no ano que vem se for bom, a gente continua. Se não for, se adequa. O horário do Afródromo, de não retornar para a Carlos Gomes e desembocar na Castro Alves. A questão de diminuir o investimento público – conseguimos diminuir em quase 8% - e aumentar o privado. Arrecadação zero. O que sobrar será investido em cultura. E não é só o carnaval. Tem as festas de largo, São João, Ano Novo, Pelourinho. Enfim, a cultura hoje é olhada com muito carinho.

    BNews - Muita gente critica as intervenções que estão sendo feitas na orla de Salvador, principalmente na Barra; recapeamento nas principais vias da cidade. Você é uma pessoa ligada ao Subúrbio Ferroviário, e outros bairros da periferia, que tem reclamado de estar sendo “escanteada” por essa nova administração. Como você vê isso e o que pode dizer para essas pessoas?

    LG - Que tenha calma porque o prefeito ACM Neto vai fazer. Para chegar, por exemplo, nas vielas vamos consertar primeiro as vias principais. Até para se ter mobilidade para sair da sua casa. Tem muitos becos, bairros que realmente precisam de mudanças com bastante urgência. Eu realmente ando por esses lugares que não tem nada, não tem asfalto, iluminação, saneamento básico, nem segurança. Nós vamos chegar lá. A cidade tem o compromisso do Executivo e do Legislativo e essas pessoas são identificadas. Pelo próprio reordenamento da cidade, oo IPTU com o recadastramento, para saber onde você mora. Olha a importância disso. É tudo planejado, justamente para saber onde você está. A cidade está sendo enxergada. Aquele que cadastrou ou recadastrou o seu imóvel, pode ter certeza que a prefeitura vai chegar. É só falar com os vereadores porque esse é o nosso papel, de fiscalizar o Executivo e criar leis.

    BNews - É um debate em todas as Casas Legislativas do país, desde a Constituição de 1988, de que nenhum vereador pode criar leis que onere o Executivo. Tem as emendas e as indicações que podem ser acatadas ou não. O que você pensa dessa regra?

    LG - Eu acho que isso precisa mudar, mas também entendo que se todo mundo quiser mudar o Brasil ou município será um problema né. Existe o ditado que diz que ‘médico, louco e técnico de futebol todo mundo tem um pouco’, e podemos acrescentar que de político também. Mas nós podemos sim mudar, com inteligência, saber o que é prioridade para melhorar a vida da cidade e facilitar. A indicação já é uma ajuda até para o governo federal. Eu indiquei para a presidente Dilma, a contratação de somente profissionais habilitados para o rádio. Porque não é justo a gente estudar por anos e ver nossos cargos ocupados por outros sem. Não é que não mereçam, mas é justo que a vaga seja preenchida por alguém da área. E ela acatou.

    BNews - Na Câmara Municipal, o jogo é duro?

    LG - Duríssimo. Mas, a gente com habilidade consegue tocar a bola, mudar de posição, avançar um pouco e recuar quando necessário. Mas eu digo que hoje o jogo é mais duro, porém é mais justo.

    BNews - E o jogo é sujo?

    LG - Não, não diria isso. Nós estamos falando de uma cidade com mais de três milhões de habitantes e que respira mudanças. Não podemos aceitar que Salvador seja a penúltima cidade em arrecadação. Não podemos aceitar que a maioria não tenha um trabalho digno, que não tenha segurança. Então o jogo precisa ser duro. Para virar precisa ser duro.

    BNews - Falando agora de pretensões políticas. Você vai concorrer para deputado em 2014?

    LG - Estou esperando ainda uma definição. Meu desejo pessoal é cumprir o meu mandato, mas na política existe o chamado “cavalo selado”. E conversando com meu presidente Toninho e a executiva, nós temos o nosso nome bem avaliado para nos lançarmos para deputado. Esse não é meu desejo pessoal, mas sou partidário, eu sou do PSL e se o partido entender que o nosso nome vai contribuir neste momento, aí sim nós colocamos o nosso nome à disposição.

    BNews - Já se entendeu com José Trindade?

    LG - Não houve desentendimentos. O que houve foi a precipitação em dizer que ele iria me expulsar do partido e nós sabemos que quem pode fazer isso é a executiva municipal. Eu não deixei de votar. Fui eu que procurei por ele para nos entendermos sobre a votação do ISS do metrô. Apenas eu precisei me ausentar porque não houve sessão, então eu não precisava ficar. Quando houve, ao contrário do que foi dito, eu votei por entender que era bom para a cidade. O meu voto na Casa é independente. Eu voto de acordo com aquilo que eu acredito. Quem me colocou lá foi a população. Escolheram Leandro Guerrilha para representar a população. E devo satisfações aos meus eleitores.

    BNews - Para concluir, o que as pessoas podem esperar do radialista e vereador?

    LG - A família de Salvador hoje tem um representante no rádio, que está todos os dias alegrando e lembrando o nome de Deus, da positividade. Vou fazer 21 anos de rádio no dia 31. Estarei estreando no dia 24 na Itapoan FM e será um presente de natal, com sorteios de prêmios e brindes, celebrando a minha volta para essa rádio que é um sonho para qualquer profissional. E janeiro, estarei dia 5 no ar. Como político, a defesa da família. Me proponho a estar todos os dias na Comissão Especial da Família, do Carnaval e da Defesa da Mulher também. Espero que a cada dia tenhamos esse discurso afinado. Acordo e durmo todos os dias com a esperança de ter uma Salvador melhor para as famílias porque não dá para ter alegria sem ter emprego, sem segurança. É preciso mais justiça social, saúde, melhor distribuição de renda. E lógico que como sendo a capital da alegria, mais música. Que as pessoas tenham sentimento de dever cumprido, de uma cidade bem cuidada. E que juntos faremos muito mais, e a população precisa corresponder. Precisa contribuir e preservar para termos uma cidade ainda melhor. 

    Fonte: Bocão News


Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia