SECOM - BAHIA AQUI É TRABALHO
Em cima da hora:
GM investe US$ 500 milhões em rival do Uber
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • UNIRB e Sinterp vendem curso sem reconhecimento profissional


    UNIRB e Sinterp vendem curso sem reconhecimento profissional
    Foto: Reprodução

    Formar radialistas devidamente reconhecidos como profissionais pela Superintendência Regional de Trabalho Emprego e Renda (SRTE) em 13 meses. Essa foi a promessa feita pela UNIRB – Faculdade Regional da Bahia – para dezenas de alunos de Salvador e cidades do interior do Estado em 2012.

    Hoje, depois de 28 meses, o sonho de se tornar radialista se transformou em um grande e doloroso pesadelo. Isso porque, segundo os denunciantes, a SRTE não reconhece o curso como válido para emissão do registro profissional de radialismo na Bahia. Com isso, o caso ficou marcado pelo jogo de empurra entre a instituição de ensino e o Sinterp - Sindicato dos trabalhadores em Rádio, Tv e Publicidade do Estado da Bahia.

    De acordo com informações da comissão formada por alunos que procuraram o Bocão News, o acordo feito entre UNIRB, Sinterp e eles não foi cumprido. Segundo os denunciantes, a UNIRB informa que já fez a sua parte e agora a questão tem que ser resolvida com o Sinterp. Já o sindicato, que indicou o curso como válido, agora "disse que não podia fazer nada", como mostra a postagem de um dos alunos no Facebook. Com isso, o caso que envolve cerca de 70 alunos, vem se arrastando sem previsão de término. 

    E as reclamações não param. O aluno ainda informou que por conta da não resolução do problema relatado, os atuais alunos já estão sendo prejudicados. "O curso da radialismo da UNIRB está parado e alunos da terceira turma estão pagando e sem aula", concluiu.
     

    Eles também se queixam das trocas de coordenadores, cinco ao longo do curso. "Ao concluir todas as matérias, todas as atividades complementares e apresentação do seminário final, ficamos esperando meses para emissão do tão sonhado certificado, mas quando chegou veio com o nome de curso de extensão, coisa não reconhecida pela SRTE", desabafa um integrante.

    Ainda de acordo com o grupo, poucos integrantes tem o contrato firmado com a faculdade assinado. Segundo os denunciantes, várias pessoas não receberam o documento. Pelos cálculos dos alunos, cada um integrante desembolsou R$ 3.250,00 e seguem sem previsão de quando estarão aptos para exercer a função.

    A reportagem do Bocão News entrou em contato com a UNIRB, que informou o mesmo passado para os alunos. De acordo com a assessoria de imprensa, a instituição se responsabiliza pela formação do estudante, sendo de responsabilidade do Sinterp a validação do curso junto à SRTE. Já o sindicato foi procurado, mas ninguém foi encontrado para falar sobre o assunto.


    Fonte: Bocão News
     



Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia